Pular para o conteúdo →

Precisamos falar sobre clichês

A Trasgo não é uma revista de terror ou horror. Mas por algum motivo (talvez porque brasileiros adorem escrever coisas trevosas) eu recebo muitos contos do gênero para avaliar. E como se esse já não fosse o meu gênero menos favorito, é recheado, lotado, abarrotado de clichês. Vamos falar um pouco sobre eles? Primeiro: "por que não usá-los, se há grandes clássicos inspirados nessas estruturas?" Porque é um truque batido para aumentar o drama sem se dar ao trabalho. É como um cara lendo um livro de piadas no próprio stand-up. Nope. Você precisa fazer sua lição de casa e…

Ir para o texto Precisamos falar sobre clichês

3 comentários

Da Antiga Arte de Ler e Acompanhar Blogs

Eras atrás, quando o jornal ainda se referia à Internet como “A Rede Mundial de Computadores”, havia blogs. Dinossauros de layout quadrado, opiniões, links e referências. Naquela época, descobrir algo era mais difícil. Sim, havia mecanismos de pesquisa, sites dedicados a apontar outras referências na internet sobre o mesmo tema (quem não lembra dos “rings” de sites?) e a ideia de “portal” ainda fazia algum sentido. Uma das mecânicas mais joias para descobrir algo eram os links. Você escrevia algo, linkava o blog de alguém, volta e meia postava sobre os artigos mais interessantes que você leu por aí, e…

Ir para o texto Da Antiga Arte de Ler e Acompanhar Blogs

2 comentários

Sobre acreditar e lutar pela sua arte

Uma das coisas mais difíceis de viver da escrita nada tem a ver com as linhas tortas que saem de sua caneta, nem mesmo com o processo de pensamento que leva a elas. Tem a ver com todo o resto. Você já contou para alguém que você está realmente tentando viver de sua arte, de sua produção? Sim, viver da escrita, mas também viver de sua ilustração, de seus vídeos no Youtube, de seu blog, do seu projeto jornalístico? O que vem a seguir quase sempre é um olhar de pena. Não é muito fácil acreditar em si mesmo. Na…

Ir para o texto Sobre acreditar e lutar pela sua arte

2 comentários

Deixe-me recomendar um teclado

Sabe qual é a ferramenta mais importante para o seu trabalho como escritor? (Ou programador, ou qualquer trabalho que envolva muitas horas digitando — ou seja, quase todo mundo?) O seu cérebro. Tá, esquece o cérebro, a segunda ferramenta mais importante: os olhos. Esquece a metáfora. Suas mãos. Os braços, pulsos. É nisso que eu quero chegar. Você precisa muito das suas mãos para digitar. Cejura? E estourar os seus pulsos por falta de ergonomia é mais fácil do que você pensa. Deixe-me contar uma historinha: Imagine que você tem uma empresa de desenvolvimento de aplicativos para celular. Então, num…

Ir para o texto Deixe-me recomendar um teclado

Comentar

A prática leva à perfeição?

Imagine que duas adolescentes queiram aprender Kung-Fu. Juliana vai a uma academia, se inscreve, e começa a praticar duas vezes por semana por uma hora. Já Patrícia acredita que consegue aprender sozinha. Então ela vai até o quintal de sua casa e pratica socos, chutes e movimentos pelo triplo do tempo que a amiga. Qual das duas você acha que estará com o chute mais efetivo depois de dois meses de treino? E depois de um ano? Dois? Nós falamos muito sobre o trabalho necessário, a quantidade de horas para aprender qualquer tarefa, mas raramente usamos o termo “prática orientada”.…

Ir para o texto A prática leva à perfeição?

2 comentários

Como mestrar RPG me ajuda a fazer orçamentos rápidos

Vocês chegaram a uma sala escura, até a fraca luz de suas tochas parece não penetrar na neblina densa adiante. Uma brisa fria sopra lá de dentro, como se houvesse uma saída ali, dezenas de metros abaixo da terra. De repente, uma risada. Alta, gutural, inumana. Os olhos de fogo se acendem: “Quem ousa invadir os meus domínios? Se buscam os segredos de um orçamento bem feito, joguem 3 dados. Multipliquem o valor por dez. É isso que cobrarão do cliente, nada mais, nada menos!” Muahauhua HUHAUHUA! Ok, parei. Eu já expliquei o meu método para calcular o valor de…

Ir para o texto Como mestrar RPG me ajuda a fazer orçamentos rápidos

Comentar

Um e-mail é o que separa você da realização do seu projeto

A Trasgo começou com um e-mail. Sim, teve os meses de preparação, as anotações esquemáticas nos cadernos, as horas sonhando acordado e as contas para ver se eu conseguiria ou não contratar designers para fazer o logo e o site (o logo sim, o site não). Mas se existiu um momento mágico de "agora é pra valer", foi quando entrei em contato com as cinco autoras que participariam da primeira edição. E elas responderam, topando a ideia! "Que legal, elas toparam!… AH MEU DEUS, SOCORRO, ELAS TOPARAM!" Quando você assume esse tipo de compromisso com pessoas que mal conhece, o…

Ir para o texto Um e-mail é o que separa você da realização do seu projeto

Comentar

Cobre direito ou faça de graça: nunca se venda barato

Existe algo pior do que trabalhar de graça: cobrar pouco. Se tem algo com grandes chances de dar merda frustrar expectativas de ambos os lados é quando o serviço é barato. O que é “barato?” É o marido da barata, tu-du-tshi! Ok, chega. Sério agora. Para mim, cobrar pouco é cobrar menos por um texto do que você acha que seria justo. (E se você acha que deveria ganhar um milhão de dólares por texto, desculpe, você está na carreira errada. Escrever não é tão chato assim.) Se você acredita que não está sendo valorizado por aquele texto, você vai…

Ir para o texto Cobre direito ou faça de graça: nunca se venda barato

Comentar

Então, você tem uma ideia?

Uma das coisas que você mais ouve quando se assume como "escritor" perante o mundo é que todo mundo tem ideias. Desde a cabelereira da esquina ao rapaz que assa o frango no açougue, todos têm na cabeça uma história que daria um bom filme. A segunda coisa que ouve é "você deveria escrever sobre isso". Acontece que uma ideia é apenas um ingrediente da receita. Você quer fazer um pão? Você vai precisar de farinha, água, ovos, leite, sal, açúcar e fermento. A ideia é só o fermento. Você pode ter um quilo dele sobre a sua mesa, mas…

Ir para o texto Então, você tem uma ideia?

Comentar

Como enviar um orçamento de forma profissional

Freelancers geralmente trabalham no seguinte esquema: metade do pagamento antes do job, metade depois, na entrega. “Ah, mas por que tenho que pagar adiantado, não é assim que os outros negócios funcionam.” Acontece que o freelancer tem um alto risco de tomar calote. Acontece muito. E um freelancer raramente tem capital (e vontade, e tempo, e saco) para processar uma empresa. Além disso, precisa usar aquele tempo para trabalhar para os clientes que pagam. Portanto, o risco é dividido entre a empresa e o cliente. Já fiz muito job recebendo na entrega, também já tomei meus calotes. Empresas caloteiras ganham…

Ir para o texto Como enviar um orçamento de forma profissional

Comentar