Pular para o conteúdo →

Arquivo por categoria Pensamentos

As quatro estações do fazer artístico

Você entra em um ônibus lotado às seis e meia da tarde, respirando o mesmo ar que sessenta e duas pessoas. Repara na senhorinha que carrega uma enorme sacola amarela nos ombros e se morde de curiosidade para saber o que tem ali. Ela desce quatro pontos antes do seu, você estica o pescoço, mas o solavanco da condução te coloca de volta ao lugar. Só resta imaginar. Você pilota sua moto por 250 km até uma cidadezinha de 10 mil habitantes só porque…

Ir para o texto As quatro estações do fazer artístico

Comentar

6 dicas de escrita de um editor rabugento

Sempre que faço um intensivo de avaliação de contos da Trasgo percebo alguns erros simples que se arrumados fariam bastante diferença na leitura e fluidez do texto. E outros detalhes que me fazem atirar o lápis contra a tela do computador. Hífen não é travessão Existe um motivo para os sinais gráficos existirem. Você não usa & no lugar do travessão. Você não usa @ no lugar de travessão. Então por que raios você acha que pode usar o hífen? – Isso é um hífen, e isso não é um diálogo. — Agora sim estamos falando. Ah, mas que chatice,…

Ir para o texto 6 dicas de escrita de um editor rabugento

3 comentários

O próximo passo da Trasgo

A Trasgo existe há mais de três anos. É tempo pra caramba, principalmente se estivermos falando em "anos na internet", em que a última grande novidade explode e desaparece em menos de um mês. Foram até agora 13 edições, a essa altura já se espera uma produção mais automática de cada volume, não? Não. Muitas etapas do processo evoluíram, mas escolher os contos, fazer uma boa leitura crítica, revisar… Isso continua dando um trabalhão. Mas a gente não abre mão, porque desde o começo a Trasgo sempre tentou publicar os melhores contos de ficção científica e fantasia. Convenhamos, a gente…

Ir para o texto O próximo passo da Trasgo

Comentar

Confissões de um ex pirata, atual artista

Venho tentando escrever esse texto há dois anos, mas nunca consegui chegar à conclusão final. E, enquanto escrevo estas primeiras linhas, já adianto que ela não existe. Então por que publicá-lo agora? O assunto voltou à minha mente pela junção de duas notícias recentes. Uma delas vinda da newsletter um escritor e amigo, Jim Anotsu: O que me levou a largar o projeto [do segundo livro de "Rani e o Sino da Divisão"] foi: Pirataria. O primeiro livro teve boas criticas, mas não vendeu muito – okay, como muita coisa, mas eu ainda pretendia fazer mais dois, um pra cada…

Ir para o texto Confissões de um ex pirata, atual artista

7 comentários

Das Olimpíadas ao Duplipensar

Então que alguém compartilhou uma foto da abertura das Olimpíadas de 1936 em Berlim, com a frase “ah, mas a festa foi tão bonita…” Além de provavelmente bater o recorde olímpico da Lei de Godwin, o “argumento” me deixou mastigando esse assunto por alguns dias. Cá estão minhas ruminações. Eu assisti a abertura dos Jogos Olímpicos com um olho na TV, outro no Twitter (já que os comentários na rede do passarinho são infinitamente melhores) e gostei do que vi. A festa foi bonita. Teve coisas incríveis e teve empoderamento. Agora, dizer que eu gostei da abertura não é dizer…

Ir para o texto Das Olimpíadas ao Duplipensar

Um comentário

Porque eu tenho medo de fantasmas

Escrevi uma novela sobre um lobisomem tentando sobreviver trabalhando para a máfia em uma Campinas futurista, um lugar com cucas, sacis, unhudos e outras criaturas. Também escrevi sobre Lúcia, a filha do chefe e parceira de Rhalfe para resolver as questões como assassinato, milícia e hackers. Até que se envolvem em um problema maior do que parece. A novela chama-se Trabalho Honesto e será publicada de graça somente para quem deixar o nome e e-mail no site que fiz para divulgá-la. Acesse aqui e deixe o seu e-mail lá! “Mas Rodrigo, você acabou de escrever um textão sobre como publicar…

Ir para o texto Porque eu tenho medo de fantasmas

Comentar

Como ter seu livro publicado

“Terminei meu original. E agora, o que eu faço?” Recebi um e-mail curioso outro dia: “Oi, Rodrigo, tudo bem? É o seguinte: eu terminei um original e não sei o que fazer agora. Devo procurar um agente? Enviar para uma editora? Você conhece alguém pra me recomendar? O mercado literário é uma novidade para mim, gostaria de contar com sua experiência pra saber qual o próximo passo…” Em primeiro lugar, muito obrigado mesmo pela consideração. Infelizmente a verdade é que a minha “experiência em mercado literário” é praticamente zero. Nada. Nothing. Eu não vi, mas minha esposa viu… Eu tenho…

Ir para o texto Como ter seu livro publicado

4 comentários

Da Antiga Arte de Ler e Acompanhar Blogs

Eras atrás, quando o jornal ainda se referia à Internet como “A Rede Mundial de Computadores”, havia blogs. Dinossauros de layout quadrado, opiniões, links e referências. Naquela época, descobrir algo era mais difícil. Sim, havia mecanismos de pesquisa, sites dedicados a apontar outras referências na internet sobre o mesmo tema (quem não lembra dos “rings” de sites?) e a ideia de “portal” ainda fazia algum sentido. Uma das mecânicas mais joias para descobrir algo eram os links. Você escrevia algo, linkava o blog de alguém, volta e meia postava sobre os artigos mais interessantes que você leu por aí, e…

Ir para o texto Da Antiga Arte de Ler e Acompanhar Blogs

2 comentários

Sobre acreditar e lutar pela sua arte

Uma das coisas mais difíceis de viver da escrita nada tem a ver com as linhas tortas que saem de sua caneta, nem mesmo com o processo de pensamento que leva a elas. Tem a ver com todo o resto. Você já contou para alguém que você está realmente tentando viver de sua arte, de sua produção? Sim, viver da escrita, mas também viver de sua ilustração, de seus vídeos no Youtube, de seu blog, do seu projeto jornalístico? O que vem a seguir quase sempre é um olhar de pena. Não é muito fácil acreditar em si mesmo. Na…

Ir para o texto Sobre acreditar e lutar pela sua arte

2 comentários

A prática leva à perfeição?

Imagine que duas adolescentes queiram aprender Kung-Fu. Juliana vai a uma academia, se inscreve, e começa a praticar duas vezes por semana por uma hora. Já Patrícia acredita que consegue aprender sozinha. Então ela vai até o quintal de sua casa e pratica socos, chutes e movimentos pelo triplo do tempo que a amiga. Qual das duas você acha que estará com o chute mais efetivo depois de dois meses de treino? E depois de um ano? Dois? Nós falamos muito sobre o trabalho necessário, a quantidade de horas para aprender qualquer tarefa, mas raramente usamos o termo “prática orientada”.…

Ir para o texto A prática leva à perfeição?

2 comentários