Skip to content →

Categoria: Pensamentos

Um e-mail é o que separa você da realização do seu projeto

A Trasgo começou com um e-mail. Sim, teve os meses de preparação, as anotações esquemáticas nos cadernos, as horas sonhando acordado e as contas para ver se eu conseguiria ou não contratar designers para fazer o logo e o site (o logo sim, o site não). Mas se existiu um momento mágico de "agora é pra valer", foi quando entrei em contato com as cinco autoras que participariam da primeira edição. E elas responderam, topando a ideia! "Que legal, elas toparam!… AH MEU DEUS, SOCORRO, ELAS TOPARAM!" Quando você assume esse tipo de compromisso com pessoas que mal conhece, o…

Comentar

Então, você tem uma ideia?

Uma das coisas que você mais ouve quando se assume como "escritor" perante o mundo é que todo mundo tem ideias. Desde a cabelereira da esquina ao rapaz que assa o frango no açougue, todos têm na cabeça uma história que daria um bom filme. A segunda coisa que ouve é "você deveria escrever sobre isso". Acontece que uma ideia é apenas um ingrediente da receita. Você quer fazer um pão? Você vai precisar de farinha, água, ovos, leite, sal, açúcar e fermento. A ideia é só o fermento. Você pode ter um quilo dele sobre a sua mesa, mas…

Comentar

Publicar com frequência ou investir tempo em um projeto mais longo?

Você conhece a famosa história do professor que coloca pedras em um jarro? Sobre um professor que começa a atirar pedras nos alunos até que… Não, não era isso. Um professor pega um jarro e enche de pedras grandes. E pergunta aos alunos, “o jarro está cheio?” Quando dizem que sim, ele pega pedras menores e vai colocando no jarro até a boca. Então faz a mesma pergunta aos alunos, agora incertos da resposta. Sorrindo, o professor então completa o jarro com areia. A moral da história diz que se você não coloca as pedras grandes antes, nunca conseguirá colocá-las.…

2 comentários

Os 5 estágios de um freela

1. Negação. O cliente pediu esse job, mas é um projeto tão grande, tão complexo. Não, eu não dou conta. E esse prazo? Muito curto, ainda mais com tudo que eu tenho pra fazer. Mas… recusar freela? O mês está apertado, essa grana vai ajudar muito. Não, não, não, isso é encrenca, eu sei que é encrenca. Vou cobrar o dobro. Tomara que não feche. 2. Raiva. Fechou. Ah, meu deus, fechou, uhuu! Aê, vou conseguir pagar o mês! Droga, e agora como eu vou entregar tudo isso? Eu sou burro mesmo! Inferno! Puta que pariu, o briefing aumentou, esse…

Comentar

6 coisas que aprendi editando a Trasgo

Se você for aprender de outros escritores, não leia apenas os grandes, porque se você o fizer se tornará tão cheio de aflição e medo de não ser capaz de chegar nem perto do que eles fizeram que você parará de escrever. Eu recomendo que você leia muita coisa ruim, também. É muito encorajador. “Hey, eu consigo fazer muito melhor que isso.” Leia as melhores coisas, mas leia aquelas que não são tão boas também. Os melhores são desencorajadores.”

Um dos privilégios da posição de editor é ver as versões antes da publicação final. Tanto de escritores iniciantes, mas também de gente com histórico de publicações. É tão raro um autor acertar na mosca que sempre existe algum polimento final antes do texto ir para a revista. Fazer esse trabalho foi bastante iluminador.

4 comentários

Foco

Ou como não entrar em pânico quando o monstro gigante do prazo já chegou à praia. Eu sou uma pessoa que faz muitas coisas. Algumas delas dão dinheiro. Muitas outras (ainda) não. Eu sou o editor da Trasgo. Vamos fingir que a próxima edição da Trasgo não está atrasada, sim? Ok. Como editor da revista, eu leio submissões, faço leituras críticas, respondo aos autores, coordeno ilustração, revisão e entrevistas, junto tudo isso num ebook e ainda publico no site. Mas eu também sou escritor, e volta e meia decido que quero participar daquela coletânea bacanuda, mesmo que eu só tenha…

Comentar

Então você quer viver da escrita?

8h30 da manhã. Trânsito. Enquanto acelerava a moto para desviar dos carros, um único pensamento: Se eu caísse não teria que chegar à agência hoje. Se alguém batesse em mim, eu me livraria dos trabalhos do dia. Uma perna quebrada traria uma semana inteira de folga. Talvez mais. Isso é terrível. E real. E se acredito em profecia autorrealizável, é um milagre que eu não tenha me envolvido em nenhum acidente. Esse pensamento foi o gatilho de uma mudança de vida, ancorada em duas coisas: literatura e vida freelancer. A literatura sempre esteve comigo em contos esporádicos, que se tornavam…

17 comentários