Skip to content →

Como mestrar RPG me ajuda a fazer orçamentos rápidos

Vocês chegaram a uma sala escura, até a fraca luz de suas tochas parece não penetrar na neblina densa adiante. Uma brisa fria sopra lá de dentro, como se houvesse uma saída ali, dezenas de metros abaixo da terra. De repente, uma risada. Alta, gutural, inumana. Os olhos de fogo se acendem: “Quem ousa invadir os meus domínios? Se buscam os segredos de um orçamento bem feito, joguem 3 dados. Multipliquem o valor por dez. É isso que cobrarão do cliente, nada mais, nada menos!” Muahauhua HUHAUHUA!

Ok, parei. Eu já expliquei o meu método para calcular o valor de um freela: a partir de um valor básico por texto, aplico algumas variáveis que tornarão o orçamento mais caro ou mais barato. Só que isso pode ser um nó, principalmente na cabeça de quem está começando. Quanto mais caro? O dobro? O triplo? Eu posso fazer pela metade do preço?

Ok, vamos falar de RPG. Para quem foi tragado do mundo não-nerd para essa caverna escura cheia de dragões, uma explicação rápida, tosca e possivelmente incorreta: RPG é um jogo que se joga com dados. Cada jogador tem uma ficha com valores de atributos, por exemplo, agilidade. Isso é um número, vamos dizer, 10. Se um personagem, Sir Bolovo, tentar fazer algo difícil que exija agilidade, ele terá que jogar um dado e tirar menos que 10 para conseguir. Esse é o único princípio que eu preciso que você entenda do jogo para explicar meu argumento.

E onde entra dragão nisso tudo? Não entra. Não, não precisa… Ok, eu coloco um dragão mais tarde.

Certo, há outra figura interessante numa mesa de RPG. O quê? Não, não é o dragão. CALMA. Estou falando do mestre. Ele é o como se fosse o juiz do jogo, é ele que passa os parâmetros para os jogadores.

Então vamos lá. Sir Bolovo quer escalar uma parede de tijolos. O mestre diz “jogue agilidade”, e ele precisa tirar menos que 10 nos dados para conseguir.

Agora, a parede é coberta por uma vinha resistente que se prende firmemente a ela. É muito mais fácil. Então o mestre dirá “jogue agilidade +5”, e agora Sir Bolovo precisa tirar qualquer número menor que 15 para conseguir escalar.

Oh, ele chegou a uma parte bastante lisa. Os defensores do castelo jogaram pixe para torná-la escorregadia. O mestre determinará esta dificuldade, digamos, agilidade -3. Sir Bolovo precisa tirar menos que 7 para ter sucesso.

E há combinações de valores. Sir Bolovo está usando equipamento especial de escalada (+5), mas é um trecho muito liso (-3), então a dificuldade será +2, ou menos que 12 para conseguir.

Esse é o princípio básico do uso de dados no RPG. Certo, e como raios isso me ajuda a fazer orçamentos rápidos? Usando o mesmo raciocínio.

Um trabalho padrão, totalmente mediano, custará o valor padrão. Usando a experiência que tenho como mestre de RPG para regular rapidamente a dificuldade das tarefas, eu aplico no meu orçamento:

  • Opa, esse vai ser muito fácil de fazer, e o prazo é tranquilo, então pensamos em “valor padrão +30% de desconto”.
  • Ih, esse vai dar trabalho, é um assunto que não domino e eu conheço o cliente, vai ter bastante refação. “Valor padrão +50% de aumento”.
  • Bom, é um trabalho complicado (+3), mas o prazo é bem tranquilo (-2)…

Certo, você nunca mestrou RPG… Então tem outra coisa que pode ajudar. Em uma mesa, você conhece os jogadores. Você sabe do que eles são capazes e do que eles não são capazes. Da mesma maneira você tem que conhecer suas habilidades, o que você é ou não capaz de fazer. Então, além do valor médio, você pode pensar em um mínimo e um máximo.

Vamos continuar com Sir Bolovo e sua escalada. Você sabe que ele é capaz de escalar uma escada sem nem precisar jogar os dados. Isso seria o seu valor mínimo. Imagine que você terá que produzir um texto curto sobre um assunto que domina muito. Coisa de meia hora, uma hora no máximo de trabalho. Qual é o mínimo que você cobraria por esse job? (Claro, levando em consideração tudo o que foi dito no texto anterior, “Cobre direito ou faça de graça: nunca se venda barato). Agora você sabe que tudo o que estiver entre um texto normal e um texto super fácil vai estar entre estes dois pilares.

Vamos pensar no outro extremo. Qual seria o maior desafio possível para as habilidades de escalada para Sir Bolovo? Ele tem que escalar as costas de um dragão verde que acaba de acordar e devorará todos os seus amigos se ele não agir rápido! (Falei que ia ter dragão.)

Ok, então vamos pensar em um trabalho que seja possível, mas bastante trabalhoso a ponto de você ter que focar neste único job por um mês inteiro, oito horas por dia, sem distrações. Quanto você acha que deveria receber por isso? Aí você tem um bom parâmetro para um valor máximo.

Esse três valores eu também tirei do RPG. Há coisas que são tão fáceis que nem é preciso jogar os dados, e há coisas que são tão difíceis que você tem certeza absoluta que todos os personagens vão morrer naquela cena. Tudo o que acontece no meio é válido.

Com esses três valores em mente (médio, mínimo e máximo), você consegue situar a dificuldade daquele trabalho e definir um preço justo rapidamente, sem grandes encrencas ou a necessidade de descobrir o sentido da vida, do universo e tudo o mais antes de mandar o tal do e-mail para o cliente. Ah, e para calcular o prazo de entrega, valem todas as regras ditas acima, com uma extra: ao final, sempre passe um prazo de 25% a 50% maior do que os seus cálculos, porque todo freelancer costuma subdimensionar o tempo necessário para cada tarefa. Entregar antes do prazo nunca é ruim, mas atrasar é péssimo.

Lembre-se que clientes adoram receber orçamento rápido. Se você mandar antes que os outros concorrentes, ganha alguns pontos no quesito “entrega rápida”.

Agora pegue esta espada e vá lá enfrentar seus dragões.

Frase do dia: Nunca enfrente um dragonete de fogo de mãos vazias.

Foto: windytan via Compfight cc

Published in Redação no dia 12 de maio de 2016

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *