Skip to content →

Então você quer viver da escrita?

8h30 da manhã. Trânsito. Enquanto acelerava a moto para desviar dos carros, um único pensamento: Se eu caísse não teria que chegar à agência hoje. Se alguém batesse em mim, eu me livraria dos trabalhos do dia. Uma perna quebrada traria uma semana inteira de folga. Talvez mais.

Isso é terrível. E real. E se acredito em profecia autorrealizável, é um milagre que eu não tenha me envolvido em nenhum acidente. Esse pensamento foi o gatilho de uma mudança de vida, ancorada em duas coisas: literatura e vida freelancer. A literatura sempre esteve comigo em contos esporádicos, que se tornavam cada vez mais frequentes com o passar dos anos. A vida de freelancer era um objetivo distante.

Não foi uma decisão fácil, muito pelo contrário. Mas provavelmente salvou minha vida.

É assim que começa este blog. Da vontade de compartilhar experiências, o que aprendi neste ano trabalhando de casa, investindo todas as fichas em uma área improvável. Quando comentei a ideia do blog com alguns amigos, recebi olhares de pena e dúvida. É pensamento consolidado de que no Brasil é impossível viver da escrita. Será? Muita gente vive disso, se você ampliar um pouquinho o escopo.

Viver somente do lucro da venda de livros, isso sim é complicado. Mas se você juntar nesse saco jornalistas, redatores publicitários, escritores que dão aulas, escritores que usam seus livros para divulgar cursos, podcasts, blogueiros, o baú já está maior. Se juntar ao pessoal que trabalha com o mercado literário, é um montão de gente.

É um truque? Veja como quiser. Eu quero viver da escrita. De toda escrita. Com freelas de redação publicitária, redação online, marketing de conteúdo, e claro, da venda de livros e cursos de literatura, por que não? Para um dia atingir o santo graal de viver só do lucro de meus livros. É um caminho longo e tortuoso.

Como falar sobre viver da escrita em um mercado de sonhos e charlatões? Se por um lado alguns bradam “eu consigo, então você também consegue”, por outro temos quem publique fotos no Instagram em plena quarta-feira cedo apreciando um belo vinho na piscina #vidadeblogueiro #souryco, enquanto as contas se acumulam ali na porta.

É hora de ser brutalmente honesto

Este blog pretende seguir por um caminho diferente. Se a ideia é viver de escrita, não tem como não falar de valores. Quanto ganha um escritor no Brasil? Quanto dá para lucrar vendendo ebooks? Quanto custa um texto para blog? Vou mexer no vespeiro e falar de valores, e talvez criar inimigos de ambos os lados. Se uns dirão que estou me vendendo barato, outros me acharão mercenário.

E já que estamos falando de honestidade, a real hoje é: eu não vivo da escrita. (Pausa para murmurinhos na multidão). Sou sustentado por minha esposa (murmurinhos aumentam). Ela é professora da rede pública (uma senhora desmaia na plateia enquanto um gentio de cartola grita “Folgado! Golpista! Não honra as calças que veste!”).

Sim, sou privilegiado por poder investir nessa carreira. Se eu não tivesse essa rede de segurança (esposa, família e amigos), se tivesse que encarar três horas de ônibus diários para ter um teto e colocar comida na mesa, realidade de grande parte dos brasileiros, eu não teria condições de criar este blog ou buscar meu sonho.

Então, em que ponto do objetivo estou? Como redator freelancer tenho um cliente fixo, escrevo posts para o blog de sua empresa, marketing de conteúdo que tem rendido ótimos frutos a ele (falarei mais disso em breve, num momento apropriado). Com isso recebo um terço do que calculo como meu mínimo necessário para viver com algum conforto. Também trabalho com meus pais, algo distante da escrita, mas me garante o outro terço.

Por fim, alguns trabalhos esporádicos às vezes completam o valor faltante. Outros meses não. Preciso chegar a esse valor mínimo para que eu consiga pagar o aluguel e contas sem sobrecarregar os honorários da esposa. Depois o objetivo é aumentar esse valor para caber no orçamento também os ossinhos da Estrelinha e outras frescuras mais.

Certo, valores. O que é “mínimo”? Para mim é algo em torno de R$ 2500,00, piso definido pelo SJSP para jornalistas com regime de cinco horas. Ok, agora que tiramos o elefante do meio da sala, vamos falar de coisas mais legais? Dos assuntos que vão ser tratados aqui, por exemplo.

Este blog é um caminho

Se não existe uma receita de bolo para viver da escrita, com certeza existem vários cadernos com todo o tipo de torta. E eu quero entrevistar tortas. Não, péra.

Vou trazer entrevistas com blogueiros, podcasters, professores de literatura, redatores e claro, escritores que vivem da sua arte e de áreas correlatas, que têm o texto como parte central de seu trabalho. Como é a sua rotina? Onde vivem? O que comem? Hoje, no Globo Repórter.

Espere encontrar por aqui: textos sobre organização de tarefas, dicas de programas e rotinas para agilizar seu dia, vida de freelancer, como conseguir bons leads (eu juro que vou descobrir e contar para vocês), e um pouco de tudo do universo da escrita, redação e literatura.

Também trarei dicas para escritores iniciantes. Assuntos como criação de personagens, construção de mundos, como escrever cenas de ação, e outros assuntos, que em breve estarão organizados em um curso online.

Esse curso terá uma versão gratuita para assinantes da newsletter, então garanta já a sua vaga e deixe o seu e-mail no formulário abaixo.

Receba dicas exclusivas por e-mail

* indicates required



Espera, newsletter? Isso! Um e-mail quinzenal com algumas dicas do blog, dicas de links bacanudos para você ler e às vezes algum presentinho. Um conto, mini conto ou promoção. Sem spam, sem frescuras, você desassina quando quiser pelo próprio link na newsletter.

Toda jornada tem um primeiro passo. E um segundo, um terceiro. Este blog é mais um deles, e é um enorme prazer ter você aqui como companhia.

Frase do dia: Eu não quero viver em um mundo com mais farmácias do que sorveterias.

Foto: yksin via Compfight cc

Published in Pensamentos no dia 20 de outubro de 2015

17 Comments

  1. Curioso para acompanhar o que vem por aí…
    Já favoritei o blog!
    Abraços

  2. Jotaerre Jotaerre

    Parabéns pela iniciativa!!! Sucesso!!!

  3. Bora que vai dar certo, mano.
    Eu sei wue é cliché, mas depois de ler seu post, só consigo pensar assim: esse cara tem O dom!

    • Têffo, que bom vê-lo por aqui. Muito obrigado, e tomara que dê tudo certo mesmo. 😀

  4. Maciel Lima Maciel Lima

    Muito bem, tudo tem um preço e o preço pra o esforço da realização de um sonho é o sucesso!
    Eu já sou teu fã no escribe, adoro ruas publicações por ser um escritor iniciante e só posso desejar uma coisa: Muito Sucesso!!!!!

    • Olá, Maciel! Que bom que tem gostado, espero poder ajudar. Abraço!

  5. Gostei muito da proposta do blog! Não vivo da escrita no sentido autoral, mas comecei a viver de freela na área de texto há um ano depois de trabalhar mais de dez anos em editoras. Desejo sucesso! Beijos
    http://diariodedescobertas.com.br/

    • Oi, Regiane. A ideia é justamente essa, falar um pouco da vida de freela. Aposto que você terá muita coisa a acrescentar, fique à vontade e seja bem vinda!

  6. Oi, Rodrigo! Tudo bom?
    Encontrei seu blog, já gostei dele e vou começar a segui-lo. Uma dica: também vivem da escrita os revisores e tradutores (ambos são profissões minhas).
    Um grande abraço e sucesso,
    Danny.

    • Claro, Danny! Revisores, tradutores, capistas, preparadores de texto… Se eu escrevesse tudo o parágrafo ia ficar imenso, mas espero que sinta-se incluído. Abraço!

  7. Elmo Odorizzi Elmo Odorizzi

    Parabéns pela coragem e honestidade com que expôs o assunto. Força aí! Do lado de cá, torço para seu sucesso. Favoritado e newsletter assinada.

    • Olá, Elmo! Opa, em breve sai a primeira newsletter! Obrigado por aparecer por aqui. 😀

  8. Coisa linda, brother! Sucesso na empreitada e vida longa ao site, que os maiores beneficiados somos nós, escribas. Abraços

  9. Marco de Sousa Marco de Sousa

    Seguiremos junto por esse caminho. Eu sonho com um mundo com mais livros do que ignorantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *