Skip to content →

Um e-mail é o que separa você da realização do seu projeto

A Trasgo começou com um e-mail.

Sim, teve os meses de preparação, as anotações esquemáticas nos cadernos, as horas sonhando acordado e as contas para ver se eu conseguiria ou não contratar designers para fazer o logo e o site (o logo sim, o site não). Mas se existiu um momento mágico de "agora é pra valer", foi quando entrei em contato com as cinco autoras que participariam da primeira edição.

E elas responderam, topando a ideia!

"Que legal, elas toparam!… AH MEU DEUS, SOCORRO, ELAS TOPARAM!" Quando você assume esse tipo de compromisso com pessoas que mal conhece, o mínimo que pode fazer é se esforçar ao máximo para que aquilo que está escrito em poucas linhas num e-mail se torne realidade.

E é sobre isso que eu quero conversar aqui hoje: um e-mail é o que separa uma mera ideia escondida em sua cabeça de um compromisso com um projeto fantástico.

Um começo. Um meio. Uma entrega.

Todo projeto tem três grandes etapas: um começo, um meio e uma entrega. Vamos falar do começo, e também resolver algumas definições importantes.

Você pode entender "projeto" como várias coisas. Pode ser um livro, pode ser um site, uma comunidade, um hobby ou aquele item que está acumulando teias de aranha na sua lista de metas do ano novo.

E "e-mail" também pode ser qualquer tipo de comunicação, até mesmo o velho bate papo ao redor de uma mesa de café com biscoitos. Ele simboliza o compromisso. Quando se assume um compromisso, mesmo que consigo mesmo, parece que ele ele se fica mais forte com testemunhas. No caso da Trasgo, havia algo além aí: eu dependia daquelas pessoas. Sem contos, sem revista. Quando alguém te ajuda, é feio ignorar essas pessoas.

Então, o começo.

Conheço uma galera com vários projetos na cabeça, às vezes até anotados em um caderninho qualquer, mas que ficam sempre para depois. Hoje não é um bom dia. Essa semana está bem ocupada. Talvez no mês que vem. Vocês já sabem onde isso leva. Quando você manda um e-mail, pede ajuda, conta para alguém, estabelece um prazo, uma diretriz. Mandar um e-mail leva no máximo meia hora, se você fizer com todo o cuidado do mundo, e pode ser feito até na hora-extra do trabalho.

Se você está com dificuldade de começar algo, experimente convidar alguém. As coisas adquirem um senso de urgência e começam a caminhar, e todo mundo sabe que não há nada como a inércia para fazer as coisas acontecerem. Não precisa apressar nada, só manter caminhando, que as coisas acontecem. Parece mágica!

Agora, o meio.

Não vou mentir, não existe glamour no meio de nada. É trabalho, suor, frustração, atirar coisas na parede, procrastinar respondendo quiz sobre o quão bem você conhece a Britney Spears. É nessa hora aquelas conhecidas dicas de produtividade ajudam: tenha uma meta, defina prazos, divida as tarefas em pequenas partes mastigáveis.

Porque se você conseguir continuar se movendo durante o Terrível Meio do Projeto, você chega à parte legal:

A entrega.

"Você tem que terminar as coisas", diz Neil Gaiman. "É assim que você aprende". Existem dois tipos de entrega: em um deles, você tem o produto ou resultado que esperava, ou algo mais ou menos parecido com isso se contar os desvios do caminho. Todo mundo fica feliz e você ganha uma estrelinha dourada ou algo assim.

Ou você chega a um final que não consegue entregar. E isso ainda é uma coisa boa, porque você descobre algo que não sabia antes. Talvez determinada atividade seja muito mais complicada do que parece à primeira vista, talvez você descubra que amassar o pão até ficar com as mãos doloridas não é tão legal quanto parece. O importante é que agora você sabe algo mais sobre você, sobre o mundo, sobre a arte de amassar pão.

Antes da Trasgo eu já tive outra revista. Era uma revista de narrativas experimentais que nunca realmente deslanchou. Aprendi muito sobre erros, sobre fracasso e principalmente sobre trabalhos que dependem de outros criadores, de como coordenar pessoas criativas e até que ponto você pode contar com quem não recebe um tostão para te ajudar.

Só não existe a parte da entrega quando a execução não acontece. A coisa pára na ideia, no projeto, na cabeça. Ninguém ganha e você continua no time dos sonhadores: "seria tão legal se…"

Ninguém é obrigado a nada, mas se você QUER realizar algo e se percebe adiando, adiando, procurando alguém que te dê um tapa nas costas, uma ajudinha para destravar o freio e colocar as engrenagens para rodar, pense nisso. E mande aquele e-mail.

Frase do dia: Eu coloco "enviar e-mail para Fulano sobre projeto X" na lista de tarefas do dia.

Foto: johnlsl via Compfight cc

Published in Pensamentos no dia 9 de maio de 2016

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *