Skip to content →

Categoria: Literatura

O que pensam os editores de FFC no Brasil

Ou “O que aprendi nos bastidores do processo de seleção da Mafagafo”. Sou um dos editores convidados para a próxima temporada de publicação da revista Mafagafo, capitaneada pela querida Jana Bianchi. Dentre as atribuições estava a escolha dos contos, trabalho que em inglês se chama “slush reading”; expressão que não conheço paralelo em português, mas podemos chamar de “leitura da pilha”. O trabalho consistiu em filtrar os cento e quarenta contos recebidos na primeira fase, cada um com pitch, resumo e início, para escolher quais vamos pedir o texto completo. Participaram da empreitada editores de young adult, fantasia e ficção…

Comentar

Planilhas gerando vida espontânea com merge ou combine

Povo, estou com um bug bizarro de umas planilhas criando vida quando tendo dar merge. Peguei aqui um freela para um cliente, puta dor de cabeça. Sabe a fusão da Associação Mágico-Ladina no ano passado? Então, eles me chamaram para “dar um jeito” nas planilhas, mas já tentei de tudo. Vai vendo: Aqueles velhacos dos magos estavam com os grimórios em uns arquivos xls do Excel 2005, enquanto os ladrões usam as planilhas do Google (e o centauro do financeiro usava um software próprio e alguns outros problemas). O meu trabalho seria juntar tudo isso numa planilha mestre no Airtable…

Comentar

Impressões sobre o NaNoWriMo: Acabou novembro (finalmente!)

O NaNoWriMo (National Novel Writing Month) é uma comunidade de escritores que se propõem a escrever um livro durante o mês de novembro. A meta é de 50 mil palavras, distribuída em sessões diárias para dar conta do tamanho do trem. Nunca participei a sério do evento, mas este ano resolvi tentar algo esse mês: um microconto por dia. Tenho um projeto de microcontos inspirados por fotografias que um amigo, Allan Nucci, tirou quando morava na Irlanda. Comecei por graça, há alguns anos. Escrevia de vez em quando e fui juntando tudo num Tumblr chamado “A Outra Irlanda“. Queria explorar…

Comentar

O que está em jogo?

Eu posso perder meu emprego. E com a esposa grávida no oitavo mês, meu Deus! O que você faria na minha situação? Recusaria a proposta? É muito fácil dizer “eu jamais faria isso” com os boletos pagos, o pote de ração da cachorra cheio e um carro automático na garagem. Mas e se você estivesse na minha situação?

Um comentário

Precisamos falar sobre clichês

A Trasgo não é uma revista de terror ou horror. Mas por algum motivo (talvez porque brasileiros adorem escrever coisas trevosas) eu recebo muitos contos do gênero para avaliar. E como se esse já não fosse o meu gênero menos favorito, é recheado, lotado, abarrotado de clichês. Vamos falar um pouco sobre eles? Primeiro: "por que não usá-los, se há grandes clássicos inspirados nessas estruturas?" Porque é um truque batido para aumentar o drama sem se dar ao trabalho. É como um cara lendo um livro de piadas no próprio stand-up. Nope. Você precisa fazer sua lição de casa e…

6 comentários

Alinhamento de personagens (ou como fazê-los brigar)

A primeira vez que ouvi falar sobre alinhamento de personagem foi quando jogava RPG lá no começo da adolescência. Nunca dei muita bola, até porque os mestres com quem eu jogava não se baseavam na tabela, apenas na descrição e background do personagem para avaliar a interpretação. Então outro dia estava ouvindo um episódio do Imaginary Worlds, podcast que adoro, abordar o assunto. Algo clicou na minha cabeça. O sistema de alinhamento (também traduzido como tendência) é uma forma didática de entender motivações e conflitos, e pode ajudar muito na criação de personagens para literatura. Se você quer povoar sua…

3 comentários

Como receber uma crítica

Meu texto foi rejeitado. E agora? Como editor, meu papel é criticar. E, muitas vezes, rejeitar textos, ser a pessoa que diz “desculpe, não vamos poder publicar o seu texto na revista“. Por isso penso muito sobre críticas e rejeições. E sobre como elas são ao mesmo tempo essenciais a todo escritor e completamente sem importância. Calma, não é duplipensar. Vamos começar pela frustração. Ah, a inevitável frustração… Uma das coisas que minha curta carreira no jornalismo me ensinou é a não me apegar ao texto. Seu editor chefe vai cortar o seu lindo nariz de cera (nome jornalístico para…

Comentar

Escrever literatura e não ganhar nada por isso?

Vamos falar um pouco de literatura. A relação entre literatura e dinheiro é complicada. Escritores escrevem e muitas vezes têm um material acumulado, que não têm um destino certo. Pagando ou não, você vai escrever para tirar essa história da sua cabeça antes que ela vire uma assombração ou psicose. E também, todo mundo quer ser lido, certo? O problema é quando editoras, empresas e pessoas do mal se aproveitam disso. Por isso vale a pena prestar atenção em algumas coisas. A regra de ouro para você pensar sempre: quem está ganhando dinheiro? Concursos culturais Cuidado com concursos que cobram…

Comentar

Feedback: o recurso mais importante a quem escreve

Existe um recurso que costuma passar batido nos debates sobre ferramentas, técnicas e escrita. É algo necessário tanto a quem está começando a escrever como para quem já tem muita coisa publicada. Difícil de encontrar, é muito valorizado por qualquer um que leve a escrita a sério. O nome disso? Feedback. Ou, em bom português, um retorno, uma opinião sobre o seu trabalho. Se você acha que só iniciante precisa deste retorno, faça um exercício. Pegue um livro que você tenha gostado muito e procure a seção “agradecimentos”. Você vai encontrar o nome de pessoas que apontaram os problemas e…

Comentar

Moral da história: Um narrador intrometido

Outro dia estava revisando um conto para a Trasgo. Uma boa história, com questionamentos interessantes, mas o narrador mais atrapalhava do que ajudava. Veja só: “O público desprezível vibrava toda vez que o sangue jorrava dos gladiadores, graças à nova lei que promovia entretenimento vil aos cidadãos.” Há duas palavras aí nesse trecho que funcionam como ruído. Dois adjetivos, claro: “desprezível” e “vil”. Eles me forçam a ver aquele cenário com um único olhar. É como se o narrador fizesse muito esforço para me dizer “olha como os cidadãos são crueis”, em vez de apenas mostrar a cena e deixar…

2 comentários