Skip to content →

Como (e por que) transformar o seu computador em uma máquina de escrever

Este artigo tem duas partes. Adiante explico como você pode criar um usuário no Windows somente para a escrita, no qual o navegador e demais distrações estarão bloqueados (mas Spotify e Dropbox funcionam). Mas antes vamos entender por que fazer isso.

Escritoras costumam amar as suas máquinas de escrever, ou seus cadernos velhos (e sempre do mesmo tamanho), ou até seus programas favoritos de escrita, sem os quais não vivem sem. Mais do que “frescura de artista”, essas sistemáticas ajudam a produzir. Vamos começar do início: bebês.

Todos os manuais de adestramento de bebês e crianças repetem a mesma palavra: rotina. Veja bem, humanos são seres de hábito desde o berço. Por mais aventureiro que seja o seu perfil, você gosta de dormir, acordar e comer mais ou menos no mesmo horário, sentar no mesmo sofá e ir para o trabalho no mesmo meio de transporte.

Bebês e crianças são particularmente sensíveis a esses padrões de hábitos, pois eles dão segurança: “eu sei que todos os dias me dão alguma coisa para comer quando o sol começa a se pôr, então eu não preciso entrar em pânico por estar com fome.” (Não funciona sempre.)

Agora nós, adultos, pensamos que somos melhores que isso. Somos racionais, nós sabemos que a janta só não está servida ainda porque você teve que passar no mercado e enfrentar a fila do caixa, mas é questão de meia horinha até o arroz cozinhar. Nós sabemos usar um computador, dirigir, e até fomos à lua!

Ainda assim, você está lá, xingando Deus e o mundo porque a droga do arroz não seca logo.

A gente pensa ter força de vontade, mas não somos mais fortes que um joguinho de celular ou uma rede social, que nos toma muito mais tempo do que gostaríamos. Confiar em si mesmo para evitar a procrastinação, ou a tentação de só mais uma rodada daquele jogo das bolinhas, é o caminho mais rápido para, quinze minutos depois, olhar no relógio e xingar “diacho, onde foram parar as últimas duas horas?”

Embora eu soubesse da força da rotina e do hábito, minha cabeça explodiu mesmo quando entendi o termo “habit fields” em um artigo escrito por Jack Cheng. Vou traduzir para “campos de hábito” para este artigo não ficar cheio de estrangeirismos.

Como os campos de hábito controlam a sua vida

“Quem controla a especiaria, controla o universo” (Duna, por Frank Herbert)

Quem controla os campos de hábito, controla a própria vida.

O conceito é simples: cada objeto ao seu redor tem um campo de hábito, uma “ação padrão”, comportamento previsível que se repete. Esse campo é um como um ímã que te atrai para realizar esta ação prevista. Quanto maior essa repetição, mais forte é o poder de atração.

Por exemplo, se você tem uma poltrona onde gosta de ler, e deixa sempre um livro ao lado, assim que sentar nela seu primeiro impulso será mergulhar na leitura. É por isso que especialistas em sono recomendam que você utilize a sua cama apenas para dormir, para criar esse campo de hábito.

Agora imagine que todos os dias, ao chegar no trabalho, você pega um café, senta no computador e dá uma olhadinha no Twitter e no Facebook. Esse sou eu, criando um campo de hábito que envolve o café, o computador, e as redes sociais. Em pouco tempo não consigo mais pegar um café, ligar o PC e logo começar a trabalhar.

Se você não vê nada de errado em dar uma olhadinha nas redes pela manhã, ótimo! Já para outros essa olhadinha pode se estender para uma hora, às vezes até mais. Ou, ainda pior, essa passeada pelas notícias pode jogar na sua cara novidades terríveis, tragédias verdadeiras ou pequenas banalidades que mexem com seu emocional e te exaurem antes mesmo que você comece o seu dia de verdade.

Além disso, O INIMIGO (profissionais que criam mecanismos de atração e retenção em sites) sabe muito bem como manipular esse campo de hábito (com notificações, por exemplo), e minha olhadinha pela manhã se torna várias durante o dia.

Claro que a solução é criar campos de hábito mais saudáveis. Porém, seres humanos são particularmente suscetíveis a truques baratos — milhares de anos de evolução faz com que você acabe com um cérebro meio racional, meio reptiliano. Assim como se estiver com fome você tende a comer qualquer besteira gordurosa e cheia de açúcar, quando cansado você cai automaticamente no campo de hábito dos objetos ao seu redor.

Por algum motivo, a gente acha que cair na armadilha de checar as redes sociais o tempo todo é culpa nossa. Que nós conseguimos resistir, olha, somos adultos, estamos tentando ir para Marte!

Experimente comer um tablete de chocolate todo dia pela manhã, faça disso um ritual. Coloque a delícia ali na sua frente, sente-se à mesa, talvez com uma xícara de chá, sinta o aroma do cacau combinando com a bebida. Todos os dias, por um mês. Agora vamos cortar esse hábito. Repita o mesmo processo, coloque o tablete ali, mas não coma! Resista!

Talvez você resista por um dia, ou dois. Talvez uma semana. Quinze dias? Até o dia em que terá dormido mal, acordado várias vezes para atender a criança no quarto ao lado, e tudo o que você quer é sentar de manhã e comer a droga do chocolate.

Qualquer pessoa com um mínimo de miolos dirá que isso é loucura. Que para cortar o hábito é preciso não comprar o chocolate, ou pelo menos deixá-lo lá no alto do armário, e não bem na sua frente todo dia de manhã. Por algum motivo, nós achamos que com as redes sociais “nós somos mais fortes que isso” e vamos resistir mesmo elas estando ali, a um clique de distância, vibrando nossos celulares, abertas na aba ao lado.

Como criar campos de hábito mais saudáveis

Há vários pequenos truques que ajudam a eliminar parte das tentações. Por exemplo, desativar todas as notificações do smartphone (depois que fiz isso minha relação com o aparelho melhorou que vocês não imaginam). Ou fazer com que o navegador saia automaticamente (logoff) das redes sociais, e usar uma senha enorme para entrar.

No entanto, muitas abordagens vão exigir um mínimo de força de vontade. Você pode apagar os aplicativos do celular, mas nada impede que instale de novo. Para algumas pessoas, um empurrãozinho na direção certa é o suficiente. Para outras, nem mesmo programas profissionais de combate à procrastinação funcionam. E existe quem consiga perder horas jogando aquele Pinball Space Cadet que vinha com o Windows.

Tentei várias metodologias que dificultavam o meu acesso a redes, e extensões diversas no Firefox. No entanto, acabava caindo de novo na mesma rotina. Ou, por me virar bem no computador, descobria um jeito de burlar o sistema. E terminava em situações ridículas, como encher o Firefox de extensões para bloquear distrações e abrir o Twitter no Edge.

Foi num momento de desabafo com a esposa que me veio a luz: “Às vezes eu queria que o meu computador fosse mesmo uma máquina de escrever”.

Há quem lide bem um pouco mais de variação na rotina E quem surte quando a cor do texto está errada. Eu sou um exemplo do segundo. Ainda que trabalhar com jornalismo e redação publicitária me obrigou a “entregar o texto”, custe o que custar, eu gosto das coisa do meu jeito. O editor de texto tem que estar com a fonte certa, e com o número certo de recursos. Precisa fazer backup com o Dropbox, trabalhar com Markdown e atalhos no teclado (consigo ver minha esposa revirando os olhos ao ler isso).

Uma função para cada aparelho

Sabe uma forma bem interessante de quebrar os campos de hábito da procrastinação? Defina uma única função para cada aparelho. Por exemplo, eu comecei a usar relógio de pulso para deixar de olhar as horas no celular (porque você só vai ver que horas são, e quando percebe já passou meia hora no Instagram).

Ou você pode ter um notebook ou tablet dedicado exclusivamente ao consumo de conteúdo. Sempre que você quer passear nas redes sociais, ler alguma coisa na internet ou jogar um tempinho fora você pega o seu aparelho e senta na mesma poltrona.

A vantagem é que isso torna muito mais fácil se disciplinar para não fazer essas atividades em outros aparelhos. Você não precisa abrir o Twitter no computador de trabalho, porque daqui a pouco vai sentar na poltrona e fazer isso com conforto (ou, se a tentação está grande, levante e vá até a poltrona. Só esse movimento já ajuda a deixar as coisas separadas).

Tenho um notebook velho que tentei transformar em uma máquina de escrever digital. Teria funcionado muito bem se não fosse por dois detalhes: eu não gosto de digitar no teclado do notebook (sou bem chato com teclados, até já recomendei aqui meu favorito), e além disso, o coitado era tão lento que demorava cinco minutos para iniciar, tempo suficiente para eu cair em algum vórtex de distração.

Mas, Rodrigo, por que não pega um caderno e escreve à mão, cáspita? Sistemático, lembra? Gosto de rascunhar algumas coisas à mão, principalmente estruturas, listas, tópicos, mas escrever mesmo é complicado. Digito rápido, minha mão não acompanha o pensamento.

A melhor solução para a procrastinação, você sabe, é ter um aparelho exclusivo para cada função. Um videogame para jogos, um tablet para leituras, um Kindle para livros, um computador apenas para o trabalho, outro para redes sociais, um celular para falar ao telefone, outro com uma boa câmera digital. E claro, saia de casa com um bom bloco de anotações e duas canetas de cores diferentes, uma para anotações e outra para ideias.

Nem um pouco prático… E quem tem espaço em casa (ou no bolso) para tantos aparelhos?

Chegamos então à minha ATUAL SOLUÇÃO CONTRA A PROCRASTINAÇÃO™: um usuário no Windows exclusivo para escrita.

Como transformar o seu computador em uma máquina de escrever

Sejamos práticos, você precisa da internet para trabalhar e pesquisar para o texto. Mas na hora de escrever o dito cujo ela mais atrapalha que ajuda. O que nós vamos fazer aqui é separar os usuários do Windows. O seu usuário continuará como está, e você vai criar um novo usuário impossibilitado de abrir a internet.

Criar um novo usuário é rapidinho, mas arrumar o perfil para ficar exatamente do jeito como você quer pode levar entre uma e três horas, dependendo do nível da sua obsessão em estar tudo perfeito.

Vamos então à receita, anote os ingredientes.

  • Um computador com Windows 10
  • Uma conta da Microsoft (tecnicamente você já tem uma, já que todo usuário no Windows tem essa conta). Essa conta precisa ter permissão de administrador.
  • Um mínimo de conhecimento do Windows (os passos são simples, mas alguns detalhes podem enroscar).
  • Uma conta infantil do Windows (vamos criá-la).

O modo como o sistema funciona é que a sua conta de escrita será tratada pelo Windows como a de uma criança de três anos, que não pode abrir o navegador para fuçar na internet. Isso tem a grande vantagem de não bloquear totalmente a internet — Spotify e Dropbox ainda funcionam, por exemplo, mas o navegador não.

Se você tentar abrir o navegador ou outro aplicativo bloqueado, aparecerá a mensagem “Você precisa perguntar a um adulto se você pode usar este aplicativo”. EU SOU UM ADULTO, EU CONSIGO ME CONTROLAR, EU MANDEI UMA SONDA PARA ALÉM DO SISTEMA SOLAR!

Então vamos lá.

  1. Acesse “Alterar Opções da Conta
    Clique no menu iniciar, e no ícone de seu usuário (uma bolinha com uma imagem no canto esquerdo inferior do menu.)

Um detalhe importante: se você não sabe o seu usuário e senha Microsoft, é possível descobrir nesta tela (precisaremos dele). O email da sua conta está logo abaixo do nome, e a senha é a mesma que você usa para logar no seu computador. (Se você esqueceu a senha, é possível recuperá-la pelo site da Microsoft.) IMPORTANTE: Você PRECISA saber esse e-mail e senha, ou ficará trancado para fora do seu usuário principal em algum momento do processo.

  1. Clique em “Família e outras pessoas” e depois em “Adicionar um membro da família”
    (Se você não vir esta opção, sua conta não é a conta de administrador do computador.)
  2. Escolha “Adicionar uma criança”, e em seguida “A pessoa que eu desejo adicionar não tem um email”.
  3. Invente um e-mail para a sua nova conta de escrita. Defina a senha. Não recomendo nada tão complicado, já que você terá que digitar essa senha toda vez que ligar o computador. Preencha qualquer outra informação necessária, clique em “próximo” e pronto! O seu computador agora tem uma conta exclusiva para a escrita! (E agora, para a Microsoft, eu tenho um filho chamado “Bora Escrever”.)
  4. Aproveite que você está na tela das opções de conta e vá em “Opções de entrada” e desligue a opção “Use minhas informações de entrada para concluir a configuração do meu dispositivo depois de uma atualização ou reinicialização”. (Se você não fizer isso, o Windows sempre vai entrar no último usuário logado em vez de deixar você escolher ao ligar o computador.)

Acabou? Ainda não. Há mais alguns passos que precisamos seguir para bloquear o acesso dessa conta à internet. Mas antes, vamos arrumar a casa.

Acesse sua nova conta
Para fazer isso é só clicar no ícone do seu usuário (ali onde acessamos “alterar as opções de conta”, e depois em “sair”, ou diretamente no novo usuário criado, se ele aparecer no menu.

Você precisará digitar a senha recém-criada.

Acesse “alterar as opções de conta” desse novo usuário e também desmarque a mesma opção do item 5 acima.

Para mudar o nome da conta, vá em “Suas informações” e clique em “Gerenciar minha conta da Microsoft”.

Ok, hora de arrumar a casa.

Essa etapa depende de quão sistemático você é. Escolha uma boa foto de perfil e troque a tela de fundo do Windows por algo inspirador. Instale os programas de escrita que você utiliza e traga os atalhos para o seu desktop, ou menu iniciar, como preferir. No meu caso, como sou bem minimalista, apaguei todos os atalhos dos blocos do Windows, e deixei apenas os programas que uso para escrever.

Opcional: instale o Cold Turkey Writer e bote o danado para rodar automaticamente.

O Cold Turkey Writer é um programa de escrita que bloqueia o seu acesso ao seu computador enquanto você não atingir a sua meta de palavras ou tempo.

Baixe no site oficial e salve em qualquer lugar do seu computador. Para fazê-lo abrir automaticamente, abra o Windows Explorer (Explorador de Arquivos) e digite “shell:startup” no menu de endereço. A pasta provavelmente estará vazia.

Então crie um novo atalho para o Cold Turkey Writer (Botão direito do mouse, “Novo” > “Atalho”, e encontre o programa onde você o salvou). Pronto! Agora sempre que abrir o seu perfil de escrita, o Cold Turkey Writer estará esperando por você.

Pronto para bloquear as distrações?

Volte para o seu perfil principal do Windows, o seu perfil de adulto. (Menu Iniciar > Clique no ícone do seu usuário > Sair, e então acesse seu perfil principal).

  1. Agora acesse as configurações da sua conta pelo navegador (em “Suas informações” e “Gerenciar minha conta da Microsoft”), e depois em “Sua família”. Ou acesse por este link. Pode ser que seja necessário fazer o login novamente (com sua conta principal).
  2. Clique em “Restrições de conteúdo” referente à sua conta de escrita.
  3. Bloqueie tudo o que parecer sensato (no meu caso, praticamente tudo).
    Para bloquear toda a internet, é preciso marcar “Permitir apenas estes sites””

Três detalhes técnicos opcionais

O Windows tem um recurso que permite que mais de um usuário fique logado ao mesmo tempo (fast user switching). Isso permite que você mude de um usuário para outro rapidamente. Para evitar tentações, recomendo desativar. Isso te obriga a encerrar a sua sessão de escrita antes de mudar de perfil.
Fazer isso é fácil, mas requer um mínimo de desenvoltura técnica, então deixo o link com um tutorial.

Para que o Windows sempre pergunte qual usuário você quer utilizar sempre que iniciar o computador, além de marcar as opções já citadas acima, você precisa garantir que a opção de exigir senha esteja sempre ligada. Aqui está como fazer isso.

Para que o seu usuário de escrita tenha acesso à sua pasta de usuário do Windows do seu perfil principal (as pastas Documentos, entre outras), é preciso garantir acesso ao novo usuário. Novamente, aqui estão as instruções

E funciona?

Olha, este artigo tem mais de 3.000 palavras. Escrevi ele em dois dias, sem abrir o navegador nenhuma vez na primeira versão. Sem internet, acabei deixando várias anotações do tipo “Conferir link”, ou “Confirmar citação”, que ficou para a parte de revisão (essa sim, feita no perfil principal e com acesso à internet).

Eu me conheço, sei que sou extremamente sistemático para escrever, e que não tenho força de vontade suficiente para evitar distrações. Tentar escrever com o ícone do navegador a dois cliques de distância para mim é como tomar café da manhã e não comer o tablete de chocolate bem na minha frente.

E você tem alguma sistemática simples ou complexa que te ajuda a evitar a procrastinação? Conta pra mim aqui embaixo?

Frase do dia: Quem controla a especiaria, controla o universo" (Duna, por Frank Herbert)

Foto: Radovan e Debby Hudson via Unsplash

Published in Redação Sem categoria no dia 21 de abril de 2018

One Comment

  1. Everton Missiagia Everton Missiagia

    Cara, excelente texto! Escrevo há mais ou menos 9 anos e sou uma pessoa que se distrai com uma facilidade absurda, e mesmo deixando celular etc. longe sempre me perdia no caos da minha área de trabalho e nas muitas tentações dos meus ícones e outras coisas pra fazer.

    Apliquei as suas ideias e a produtividade já aumentou uns 70%! Quem diria que uma simples área de trabalho limpa e um programa que bloqueia outras coisas fariam tanta diferença!

    Parabéns pelo artigo e pelo site!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *