Skip to content →

Escrever para o canal dos outros é legal?

O sonho de muita gente que escreve é conseguir chegar a colunista de um portal famoso, mas esse objetivo pode não ser tão vantajoso assim.

Olá, Rodrigo. Nós adoramos o seu blog Viver da Escrita, achamos o seu ponto de vista bastante interessante e temos uma oferta incrível. Gostaríamos que você escrevesse para o BLOG SUPERFANTÁSTICO REDATORES, patrocinado pela Furico Máquinas de Escrever. É uma ótima oportunidade para que você atinja um público muito maior e possa promover o seu trabalho.

Recebi pelo menos meia dúzia de e-mails assim quando eu editava outro blog, chamado Peixe Fresco, lá nos idos do guaraná com rolha. Apesar das variações, o conteúdo costuma ser o mesmo: “elogio elogio —> queremos que você escreva de graça para o nosso canal.”

Ok…

Não existe uma resposta simples. Ok, existe: “NÃO, OBRIGADO.” Mas uma proposta dessas pode ter seu lado vantajoso.

Primeiro, o tal blog é profissional? Vou usar a palavra “blog”, mas você pode ler página, canal, jornal, entre outros. E por profissional, a questão é “alguém ganha dinheiro com a bagaça?” Vale direta ou indiretamente, neste caso, um canal patrocinado por qualquer empresa é sempre profissional.

Às vezes o autor não recebe nada pelo blog, mas ganha dinheiro dando palestras sobre o assunto por aí. Neste caso o blog é sim uma ferramenta de marketing e escrever de graça é trabalhar no marketing para ele.

Talvez esse seja um trabalho para fazer “na amizade”, se o canal for mesmo de um amigo.

E talvez ninguém ganhe nada com o tal canal. De repente é só um blog de fãs de Dr. Who convidando outro fã a participar da brincadeira, aí sejam felizes, allons-y!

Guest-post

A proposta é para se tornar um colaborador fixo, com entregas frequentes, ou é um convite para um texto esporádico? Se for um único texto, o nome desse trem é guest-post, ou “publicação do convidado”, um costume comum e bem visto de troca de links e conteúdos. Eu mando um texto para o canal e o canal traz novos visitantes para cá. Ganha-ganha.

Existe uma discussão sobre penalização no SEO (encontrabilidade) para guest-posts, mas já li um pouco de tudo a respeito disso. Com o abuso de guest-posts para forçar o ranqueamento de sites, o Google começou a penalizar a prática. Até onde sei, isso vale apenas quando é excessivo. Se o texto é válido e interessante ao leitor, a velha máxima de todos saírem beneficiados continua valendo.

Outras coisas para se levar em conta:

Qual o seu objetivo? Conquistar 18 territórios mais a Oceania. Essa oferta, embora seja a típica “queremos que você trabalhe de graça para a gente”, pode ser vantajosa para o seu posicionamento no mercado. Principalmente se você ainda não tem seu público.

Digamos que você desenha móveis para bebês e é convidado por uma marca de fraldas para escrever uma seção sobre segurança no lar para bebês naquele canal. Vai fundo, você não terá uma oportunidade de marketing assim tão cedo. O mesmo raciocínio vale para revistas, jornais, folhetos de bairro… Se é possível transformar aquele texto em oportunidade de marketing para sua empresa/marca/projeto, não há por que recusar.

(Adendo importante: De maneira geral, isso não funciona para redatores. Escrever de graça para dizer que você cobra pelos seus textos raramente dá certo. A menos que o canal seja próprio. Como o Viver da Escrita. Vocês entenderam.)

capa-caderno_s

Este conteúdo faz parte do ebook “Quanto vale o seu texto“.

Baixe aqui!

Frase do dia: Qual o problema em acreditar em sereias? Conheço adultos que acreditam em tanta coisa.

Foto: g_firkser via Compfight cc

Published in Redação no dia 10 de Fevereiro de 2016

Opa, gostou deste texto? Talvez você se interesse pelo meu curso de storytelling, onde explico os segredos de um blog, newsletter ou até Facebook mais gostoso de ler. Acesse aqui. ;)

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *