Skip to content →

Sobre escrever de graça

Então você quer trabalhar com redação, certo? Você vai escrever muito de graça. E não há nada de errado nisso. Desde que, e somente se, outra pessoa não esteja ganhando dinheiro com o seu trabalho. Essa é a máxima. Agora, os detalhes.

Escrevo profissionalmente desde o começo da minha carreira. Até antes de formado, se contar os estágios para revistas e jornais, e um ou dois cartões de natal para a empresa de meus pais. E aprendi desde cedo a diferença entre quando vale a pena trabalhar de graça, e quando na verdade é exploração.

Já escrevi milhares de coisas gratuitamente. Para amigos e suas empresas ou textos criados para a internet, para blogs próprios ou até alheios. Isso é legal, é bacana, cultura do compartilhamento, cara.

O problema é quando pedem o seu trabalho para um fim que irá gerar lucro ou benefício só para a cliente. Serei mais didático.

A empresa quer um texto para o folheto de vendas, mas não pode pagar por isso? Ou uma descrição bacana no site, mas dessa vez não vai dar para pagar, me desculpe. Aí, amiga, não rola. A empresa vende o quê, arco-íris e recebe em lantejoulas? Não sei você, mas eu tenho conta para pagar e o supermercado não estava aceitando joinhas como pagamento da última vez que perguntei.

Chegamos à regra número um. Nunca trabalhar de graça num produto para empresas. Se a empresa é de uma amiga ou familiar, que fique bem claro, você estará fazendo um favor à sua amiga, nunca à empresa. Empresas não valorizam ninguém. Pessoas sim. (Se bem que caímos num outro ponto, amiga que é amiga valoriza o trabalho alheio. Valoriza = paga. )

Não caia nesses truques (ou pelo menos, não caia mais de uma vez):

“É um primeiro job para a gente conhecer seu trabalho, vamos pagar os próximos.” Tradução: nós vamos pedir para você fazer de graça sempre, e se você cobrar encontraremos outra trouxa.

Você tem portfolio, não tem? É ele que mostra a qualidade da sua produção, não é preciso nada mais. “Olá, aclamada chef do restaurante cinco estrelas, vim jantar de graça esta noite, se eu gostar prometo que pagarei na próxima.”

A propósito, a agência Zulu Alpha Kilo fez um vídeo bastante divertido onde seu produtor vai a uma academia, a um café e outros profissionais liberais pedindo trabalho de graça. Você deve imaginar o resultado.

Assista aqui: Zulu Alpha Kilo – Spec | #saynotospec (https://youtu.be/essNmNOrQto)

Ok, próxima regra: nunca escreva de graça um texto não assinado ou como ghost-writer (um texto assinado por outra pessoa). Fazer posts para blogs é uma maneira bacana de criar um porfolio quando você não tem nada, mas é uma vergonha como chove proposta de editores de blog (e olha, já vi canal grande fazendo isso) pedindo para a galera mais nova escrever para aquele blog da moda, com a promessa de que será um incentivo na carreira. Ah, mas o post vai assinado pela blogueira estrelinha, ok? *Joga o extintor de incêndio na blogueira-de-sucesso*. Há um texto inteiro sobre isso mais adiante.

E quando você é convidado pela maravilhinda EMPRESA X para participar da ação de mídias sociais dela? As participantes selecionadas poderão falar da EMPRESA X em seus próprios blogs (ou no canal social da empresa), olha que oportunidade ótima! (Em troca, cada um ganhará uma bolinha anti-stress e um squeeze — para quem não sabe, aquela garrafinha de plástico sem vergonha).

Ok, algumas ações são realmente bacanas. Mas preste atenção na contrapartida. Algumas empresas realmente podem divulgar bem o seu trabalho, e se você se identificar com ela, for um produto que você apoia e usa, pode dar um jogo bacana. Falando em jogo, agora eu quero falar a vocês sobre esses lindos tacos de golfe que recebi da Empresa X, eles são uns queridos…

Brincadeirinha.

capa-caderno_s

Este conteúdo faz parte do ebook “Quanto vale o seu texto.

Baixe aqui!

Frase do dia: — Eu gosto de pessoas. — Eu não, por mim elas podiam virar churros.

Foto: TheFutureIsUnwritten via Compfight cc

Published in Redação no dia 12 de Janeiro de 2016

Opa, gostou deste texto? Talvez você se interesse pelo meu curso de storytelling, onde explico os segredos de um blog, newsletter ou até Facebook mais gostoso de ler. Acesse aqui. ;)

2 Comments

  1. link do ebook “Quanto vale o seu texto“ esta quebrado 🙁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *